13/05/11

A Pena e a Lei

A Pena e a Lei, de 1959, peça em três atos que Ariano Suassuna juntou em uma só.

Com base no teatro de mamulengos, nas histórias populares de cantadores nordestinos e nos bonecos brincantes, mesclam-se, no texto, auto, sátiras de costumes e farsa. Em A Pena e a Lei, Ariano Suassuna traz, à luz da ficção, um Nordeste autêntico, regional, popular, universal, erudito, metafísico, religioso, grotesco e sensível, satírico e dramático, sob ritmos diversos: cantorias, xaxado, baião... Tais aspectos bebem nas fontes da tradição medieval.

Talvez seja a obra mais ambiciosa do autor, na medida em que é uma síntese de contos populares e de exigente inspiração erudita, Commedia dell'Artee auto sacramental, sátira de costumes e arguta mensagem teológica, divertimento nordestino e proposição de alcance genérico, história concreta e vôo para regiões abstratas, mamulengo e metafísica - enfim uma verdadeira súmula do teatro.

A Pena e a Lei é uma peça de várias vertentes temáticas que se fundem em múltiplas linguagens. Dialoga com a cultura popular, com as bases eruditas. Traz figuras míticas e místicas, além de ditados populares. Coloca em cena gente simples, do povo (loucos, bêbedos, mentirosos, espertos, tolos, avaros e personalidades típicas e folclóricas do Nordeste brasileiro). Cheiroso e Cheirosa (Marieta/Madalena) contracenam e são personagens fundamentais. Abrem e enceram os atos, fazendo juízos de valor, com consciência crítica e lição de moral, principalmente no final dos atos, através das cantorias.

Aqui Suassuna reaproveitou cenas de seus textos Torturas de um Coração e do Auto da Compadecida, numa encenação que vai do boneco irresponsável ao ser humano pleno diante de Deus (Benedito, Mateus, Cheiroso e Cheirosa intensificam o cômico). A peça diverte, mas também analisa as questões sociais: trabalho na usina, reivindicações dos trabalhadores, companhias estrangeiras, fome, prostituição em cenas curtas e de muita movimentação. A preocupação com a moral está sempre presente e o trágico é diluído pelo cômico. São personagens estereotipados. Suassuna também se utiliza das cantorias nordestinas.

Como já se percebe, esta obra do autor é baseada na cultura popular nordestina e em suas manifestações, seja nas festas do povo, na literatura de cordel, nos desafios dos cantadores, no Romance Popular do Nordeste, ou na sua produção literária culta. Toda essa cultura, por sua vez, recebeu a produção popular medieval em seu bojo, adaptando-a à sua realidade mas mantendo-se fiel àquela. Suassuna, ao escrever A pena e a lei, mostra-nos sua herança medieval, recebida através da cultura nordestina. Assim, técnicas de folhetos de cordel, folguedos populares e suas fontes temáticas são as bases populares desse teatro. A medievalidade está presente nos modelos formais adotados, como teatro católico medieval ibérico (mistério, milagre, moralidade e auto sacramental) e dramaturgia profana (farsa e comédia italiana). Os temas usados pelo autor, vindos do Romanceiro popular do Nordeste, provêm de textos europeus que chegaram à cultura nordestina através da Ibérica.

Em A pena e a lei os personagens se relacionam com a justiça de maneira informal, malandra.

A história baseia-se numa trama de enganos e traições, retratando os valores e a moral do povo sofrido do sertão. Tudo se passa em Taperoá, uma pequena cidade do Nordeste, onde vive Benedito, que adora aprontar. É um negro esperto, apaixonado por Marieta. Marieta quer se casar e, na briga para conquistá-la, além de Benedito, estão Cabo Rosinha e Vicentão, dois cabras valentes e fortes. Há, também, um padre surdo; Pedro, outro personagem que dá volta ao mundo em seu caminhão; João, um poeta sonhador; Mateus, um ordenador, e Joaquim, que não se sabe se terá um fim.

Cada Ato apresenta marcações específicas para entrada e saída das personagens de cena. No primeiro ato, por exemplo, os mamulengos “arreiam”, isto é - na corruptela da linguagem - descem, saem do palco, que é uma estrutura rudimentar, de madeira e pano. No segundo, as personagens, meio termo entre bonecos e homens, abrem e fecham uma porta solta ou qualquer coisa que simbolize entrada e saída de cena; No último ato, o acender e o apagar de uma luz orientam o movimento das personagens.

Um comentário: